Avenida fontes pereira de melo n-14 4 andar geral@jasonassociates.com
21 318 29 30

HR Analytics, soluções quick win e cost-effective

HR Analytics, soluções quick win e cost-effective

Os RH têm a remuneração, benefícios, talento a seu cargo. Neste momento, passam também a ter HR Analytics. A análise do talento da organização, quando bem executada, é o "GPS" dos RH.

 

O objetivo do HR Analytics é o tratamento de informação de modo a gerar conhecimento sobre os funcionários da empresa.

 

O desafio da análise sobre recursos humanos é identificar quais os dados que devem ser capturados e como usar os dados para modelar e prever capacidades para a organização, numa perspetiva de gerar um melhor retorno sobre o investimento (ROI) no seu capital humano.

 

  • Os RH têm que começar a recrutar para os seus departamentos, pessoas orientadas para este tópico, que tomem decisões relacionadas com o talento baseadas também em factos e informação quantitativa para as organizações a que servem;
  • O investimento em competências e talento de Analytics é elevado e o retorno demora a surgir, pelo que muitas das empresas que têm este tema na agenda estão a optar por não "construir" algo internamente, recorrendo a conhecimento mais profundo que já existe no mercado em prestadores de serviço e consultoras de RH;
  • O HR Analytics permite às empresas monitorizar métricas como o custo por recrutamento, tratar informação do Employer Engagement e relacioná-la com outras variáveis, identificar e prever dificuldades de sucessão, mobilidade geográfica, diversidade laboral, etc.
  • Fazer HR Analytics não implica necessariamente grande investimento em plataformas tecnológicas de elevado custo ou em projetos de consultoria dispendiosos e longos.

 

Se está interessado em trazer o melhor da análise de talento para a sua organização, com soluções que geram “quick wins” muito cost-effective, pergunte-nos como podemos ajudar!

 

Luís Rosário | Business Unit Manager | lrosario@jasonassociates.com

DESTAQUE

Talent Escape Room, um jogo que muda comportamentos?